Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correr na Cidade

Night Run: Muita parra e pouca uva (parte 1)

MA131019_1341Por Filipe Gil:Decidi dividir o race report e a rece review em dois posts para facilitar a leitura. Contudo, o título é o mesmo. A minha prova: mais uma corrida, mais uma desilusãoNão tinha feito grandes planos para esta corrida, mas no subconsciente havia a grande vontade de fazer os 10k abaixo dos 50 minutos – algo que só consegui uma vez na Scalabis Night Race, em Santarém. O Pedro Tomás Luiz prontificou-se a puxar por mim durante a corrida. E fê-lo da melhor forma. Deixo aqui um agradecimento público ao Pedro que foi impecável e puxou por mim sempre que foi necessário. Contudo, não consegui baixar da marca de Santarém, o meu tempo foi de 00:51:10. Os primeiros dois quilómetros foram mais lentos, mas os restantes, aproveitando a descida da Av. da Liberdade, foram “rápidos”, para aquilo que costumo fazer normalmente (abaixo dos 04:55 por quilómetro, com um o outro km acima dos 5 minutos por´km ).Cruzei-me com a minha mulher duas vezes durante a prova, que apenas pela 4ª vez correu a distância dos 10K mas que aparentava uma frescura e um divertimento digno de inveja a muitos como eu. Fez uns magníficos 1:00:33, o que não é para todos os que se iniciaram nisto das corridas há menos de seis meses e treina 1 a 2 vezes por semana.Voltando à minha prova, percebi que o Bruno Andrade estava mesmo, mesmo atrás de mim – ele que nos últimos seis meses praticamente não treina e anda ali com uma lesão chata no tendão -, e vi o Nuno Espadinha a zarpar mal os primeiros metros começaram, ainda antes de chegar ao Rossio. Apanhei-o  Nuno na ida para Alcântara, ali perto do Cais do Sodré, mas basicamente no mesmo local, já a caminho da meta ele ultrapassa-me para terminar bem à minha frente – a vingança serve-se fria. Just kidding!O 9ºquilómetro foi muito doloroso para mim. Bem que tentava acelerar mas parecia que não saía do mesmo local. Lembrava-me que só tinha treinado na 2ª feira antes, lembrava-me que não ia conseguir bater o meu recorde pessoal apesar do esforço. Evitava olhar para o Garmin que levei no pulso para que isso não me influenciasse mentalmente. Senti dores na planta do pé no empedrado. E comecei a sentir frustrado.O Pedro bem que puxava por mim, mas o corpo não respondia. Porque raio não estou a conseguir ir para a casa dos 45/49 minutos para fazer os 10K??? Porque razão correr na casa dos 4:45 ao quilómetro é uma tarefa quase impossível e dá-me a sensação que vou rebentar e ficar sem fôlego ???- a resposta é fácil, falta de treino adequado e diferenciado (se algum leitor tiver mais dicas, façam o favor de as colocas nos comentários)!Falta de treinos de séries, falta de treinos com subidas. É a variação de treinos é o que me falta. Ao que devo acrescentar mais uma dose de grande trabalho mental. Porque sou daqueles que me vou abaixo muito facilmente. Tive a sensação de ter dado o máximo e mesmo assim não foi suficiente.  Com 39 anos dois filhos pequenos em casa e uma profissão stressante não espero fazer 10K em 35 minutos, mas pelo menos baixar até aos 45 é um dos meus objetivos. Que, por muito que tente, parece cada vez mais difícil de conseguir. A acrescentar as provas de 10K estão cada vez mais a deixar de ser uma motivação para mim. Venha a próxima, que talvez seja a São Silvestre de Lisboa e a ver se é desta que bato o recorde!

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.